O que eu achei de... Free Fall - Filme


Olá galera,

Bom, já falei de filmes, livros e música aqui no blog antes, e pretendo continuar falando, quem acompanha sabe que blog já passou e ainda passa por muitas mudanças, tudo pra melhorar e deixar esse espaço aqui com a cara de cada leitor. Pois bem, fiquei um tempo sem falar desse assunto por aqui, e volto com esse post, falando de um filme que assisti ontem, vou fazer um breve resumo, e falar o que eu achei do filme "Free Fall" *CUIDADO, CONTÉM SPOILERS*

Free Fall (ou Freier Fall - título original), é um longa-metragem independente alemão do ano de 2013. O drama de temática LGBT, está disponível no Netflix com título em português "Queda Livre", porém somente em versão legendada com áudio original em alemão, também está disponível em DVD, mas pelo que eu procurei, somente em lojas internacionais.

Sinopse:

Com uma promissora carreira na polícia e um bebê a caminho, a vida de Marc (Hanno Koffler) parece estar no caminho certo, até o momento em que conhece Kay (Max Riemelt), um colega de quarto do campo de treinamento policial. Em meio aos exercícios de corrida, Marc experimenta uma sensação fácil e sem esforço nunca sentida antes, se apaixonar por um homem. Dividido entre sua família e sua paixão, sua vida sai do seu controle até ele perceber que não pode fazer todos felizes. (texto retirado do site AdoroCinema)




Creio que muitas pessoas descobriram o filme, ou se interessaram por ele, porque Max Riemelt (que interpreta Kay no filme) está no elenco. Pra quem não sabe, Max também interpreta o Wolfgang da série original do Netflix, Sense 8. O filme foi lançado antes da série, mas quase não se tinha conhecimento dele, também por ser um filme independente. Talvez, só talvez, a beleza do ator e suas cenas como veio ao mundo ( na série e também no filme), fizeram com que Max ganhasse o coração dos fãs da série. Não podemos negar que Max é realmente muito bonito, mas no filme (Free Fall que é o nosso foco aqui hoje, rs) a história se constrói em torno da vida de outro personagem, o Marc que é interpretado por Hanno Koffler.

Antes de assistir ao filme uma das primeiras coisas que me falaram é que o filme tinha muita semelhança com Brokeback Montain (2005), até aí tudo bem porque o filme é bom, apesar de trágico. Mas também ouvi algumas críticas um tanto quanto negativas sobre o filme, então quando decidi assistir já fui preparado para o pior rs. O filme de certa forma me surpreendeu em muitos aspectos, mas eu acho que dizer que um filme é bom ou ruim, vai muito do gosto da pessoa, do estilo de filme que ela gosta, uma temática que te interesse, faz do filme  algo muito melhor pra você do que para uma pessoa que não se interesse pelo tema. Por isso vou tentar explicar porque gostei de algumas coisas e nem tanto de outras.

Quem gosta de filmes com temática LBGT sabe que muitos filmes deixam a desejar em muitos pontos da história que é contada, porém alguns pontos que eu achei que fossem ser deixados de lado em Free Fall ficaram bem claros e muito bem contados pra mim. Como Marc e Kay se conhecem na academia de policia, alguns questionamentos são levantados "será que alguém vai flagrar os dois juntos em algum momento?", "será que se forem expostos, vão sofrer preconceitos pelos amigo de trabalho?". No começo eu realmente achei que eles iam deixar passar esse ponto no filme, mas quando descobrem sobre a sexualidade de Kay no trabalho, cenas de preconceito e até violência no trabalho e fora dele, trazem mais realidade à história. Outro ponto que eu gostei que foi destacado foi que ponto de vista da esposa de Marc quando ela descobre a relação homossexual do marido não foi deixado de lado, no começo do filme eu mesmo não dei tanta importância para a personagem, e no decorrer do filme ela ganha espaço e não é deixada de segundo plano.

Free Fall te faz pensar em muitas coisas ligadas a realidade de como essas coisas acontecem no dia-a-dia. Óbvio que a gravidez da mulher de Marc, acompanhada da falta de sexo do casal, são suavemente usadas como motivo para que ele vá a procura de sexo com Kay, porém ele acaba se apaixonando e os dois começam a viver uma relação, em que Marc tenta conciliar com a vida de casado. Mesmo depois dessa série de acontecimentos Marc não aceita que é gay, demora pra que isso aconteça. Uma cena que eu fiquei na cabeça foi a cena em que Marc conversa sobre o relacionamento dele com Kay para a esposa, e diz: "sim, eu tive uma aventura com ele". E aí eu fico imaginando, quantos caras por aí estão na mesma situação que Marc, eu imagino eles usando a mesma frase do personagem. Conheço e já ouvi amigos contarem histórias de homens exatamente na mesma situação que Marc no filme. Pequenos detalhes no filme, falas, e também a interpretação do ator com esse ar tão "hétero machão" dão um toque muito real ao filme, talvez quem esteja mais habituado com o mundo gay vai entender melhor o que eu estou falando.



O filme tem um apelo sexual muito grande, não é à toa que a censura do filme é 18 anos. Cheio de cenas de sexo e nudez. As cenas de violência e consumo de drogas não poderiam faltar num filme com temática LGBT, fato do qual eu acho que é sempre generalizado, essa imagem já está pregada no mundo gay, e essa ligação (drogas x gays) nem sempre acontece, por mais que a mídia tente colocar isso na cabeça das pessoas. As cenas de sexo são bem romantizadas, e transmitem o amor forte, mas não bruto, entre os personagens principais. Apesar de ser muito censurada a nudez tem algo belo, não necessariamente levada para o lado sexual, eu particularmente acho muito bonito, e no filme foi muito bem explorado.

Um dos pontos que desagrada no filme é que a relação de Marc e Kay fica sem um desfecho merecido. Na verdade é nas cenas finais que eu acho que muitas das pessoas que não gostaram tanto do filme, esperavam algo de diferente. O principal desfecho que deixa questionamentos é, Marc "termina" com Kay, as coisas meio que se resolvem na casa dele, então ele decide voltar a casa do Kay mas ele não está mais lá, aí começa a sofrer. Tá, mas voltou por quê? Se tinha terminado com ele e sua mulher tava de volta em casa? Se ele tinha o número do Kay porque não ligou pra ele? E porque diabos o Kay some assim, sem dar satisfação. A verdade é a que a gente sabe que existem respostas para todas essas perguntas, mas é que o público torce por um final feliz. Outro ponto que eu discordei um pouco, foi o fato do Marc e o Kay irem para a boate gay juntos, se o Marc era tão reservado acho que não é do tipo dele topar essa aventura, mas vamos entender que é porque ele estava apaixonado e queria se aventurar rs.

Bom, a verdade é que o Marc não poderia mesmo ter tudo, uma hora ele teria que escolher de qual lado queria ficar, até porque o Kay já dava sinais que não concordava com essa vida dupla que ele levava. O filme deixa muito claro a dúvida do personagem de Marc, que não quer abrir mão de nenhum dos dois mundos, e tentou se encaixar em ambos, por fim o próprio destino fez a escolha por ele, que opta por voltar para academia de policia, onde poderia se reencontrar consigo mesmo.

A maioria dos comentários que ouvi sobre o filme é que o filme até que é bom, mas Marc e Kay deviam ficar juntos no final. Bom, pelo enredo da história eu já sabia que isso não ia acontecer, e como na vida real, nem toda história pra ser boa precisa ter um final feliz. Acho que o filme em si passa uma mensagem muito importante, que aceitar-se gay não é uma tarefa fácil, e isso fica claro no filme. Também que é muito difícil ser honesto com você mesmo nesse caso, sem magoar as pessoas que estão ao seu redor. Situação essa tão comum para quem decide assumir sua sexualidade.

Não podia deixar de elogiar a fotografia filme que é lindíssima, e também a interpretação dos dois atores principais que convenceram muito bem, pelo menos à mim, rs. Assim como Brokeback Montain com o qual o filme é tão comparado, Free Fall é filme feito para todos, não só para o público gay, mas é diferente porque é mais íntimo, onde grandes diálogos silenciosos são feitos por olhares e gestos, a relação de Mark e Kay economiza nas palavras e exagera nos sentidos.



Bom galera, acho que me empolguei um pouco e post acabou ficando bem mais longo do que eu imaginava. E você que já assistiu ao filme, compartilhe aqui os seu comentários sobre o que achou.
Espero que tenham gostado do post. Ah, também deixem aqui nos comentários dicas de filmes, documentários, livros, álbuns e etc, vou adorar assistir e compartilhar minha opinião aqui no blog.

Grande abraço e até a próxima,

Fael